Pular para o conteúdo principal

Carreira interna x Carreira externa

Bom dia!
Espero que tudo esteja bem com vocês.

Primeiramente quero discutir um pouco a definição desses conceitos:

Carreira interna: Como você enxerga sua carreira. A carreira vista por você, de uma forma continuada, como você enxerga sua carreira através do seu retrovisor, como foi seu desenvolvimento e crescimento profissional; Agrega-se aqui suas expectativas de carreira para os próximos anos;

Carreira externa: Como a empresa enxerga você, enquanto você faz parte de seu quadro de funcionários; Esta forma de enxergar é momentânea e finita, enquanto fazemos parte da empresa;

Quando falamos em planejamento de carreira, minha visão está direcionada para pensarmos em como estamos evoluindo e onde queremos chegar em nossa trajetória, avaliando e enxergando do ponto de vista de nossa carreira interna.

É interessante que durante o tempo em que estejamos nas empresa, sob a avaliação e expectativa da empresa, possamos estar alinhados com essess objetivos. Isso passa pela incorporação dos objetivos e expectativas da empresa, percebendo que o profissional está crescendo e evoluindo em sua trajetória de conhecimento e aquisição de competências.

Ontem tive o prazer de reencontrar um grande amigo, que hoje ocupa a direção de uma multinacional, já a 2 anos. Durante nossa conversa, ele conseguiu fazer um resumo desses 2 anos em que ocupa esta posição, dizendo que ele não tinha o sentimento de seu "pertencimento" à empresa.

Essa falta de "pertencimento" faz com que meu amigo demonstre uma "infelicidade" profissional, pois empenhando-se profissionalmente, não consegue ter o reconhecimento da empresa, pois pude perceber que a empresa tem uma expectativa um tanto diferente da visão profissional do meu amigo.

Minha visibilidade de como tratar este momento delicado, posso dizer que deve-se pensar em uma mescla entre um equilíbrio entre a visão da carreira interna e da carreira externa.

Trocando em miúdos: Entender quais são os objetivos da empresa e qual é o critério utilizado pela empresa para reconhecimento e evolução dos profissionais (carreira externa) e o alinhamento com seu aprendizado e seu critério de desenvolvimento profissional.

Hoje posso avaliar que os profissionais estão tendendo a ser mais "egoistas", ou seja, aceitam desafios e atividades que venham a aumentar seu conhecimento e suas competências, em prazos mais curtos. Podemos estar em uma empresa ou em uma atividade, mesmo percebendo alguma "infelicidade profissional", porém temos certeza de que após este período estaremos mais valorizados profissionalmente, pois sabemos e experimentamos outras situações que nos destacam e nos consolidam como profissionais.

Por isso a visibilidade de onde queremos estar em um "futuro distante" (5 a 10 anos) e identificarmos as capacitações e conhecimentos necessários para sermos elegíveis a ocupar a função que aspiramos, nos ajuda a decidirmos estar em uma posição que nos ajuda a obter mais competência e vivermos experiências agregadoras.

Entendo que nossas decisões devem nos guiar nas buscas por aumento de experiências e conhecimento profissional alinhado com nossas aspirações pessoais e profissionais, assim nossa trajetória torna-se muito mais coerente, entendendo os momentos que estamos vivendo e aceitando desafios em pról de nossa capacitação profissional.

Sucessso para vocês!

Floro


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carreiras promissoras em 2018

5 carreiras promissoras em 2018 Quem quer boas carreiras em 2018 precisa de algo fundamental: ter curiosidade
Comentário Floro: Esta é mais visão interessante de profissões promissoras. Gosto destes estudos pois estamos tendo uma grande quantidade de novas profissões e áreas que estão sendo cada vez mais demandadas. Acho que sempre vale a pena olhar as carreiras promissoras através de diferentes pontos de vista. Aproveitem!   Redação, Administradores.com, 4 de janeiro de 2018, às 13h01

Habilidades e competências que serão tendências em 2030

Olá, Tudo bem com você? Muito bom ter você por aqui no Blogdofloro!
Achei muito interessante a abordagem do artigo abaixo, pois ao invés de colocar o foco nas funções ou nas inovações futuras, que não temos a menor chance de prever com certeza, devido à velocidade em que as evoluções tecnológicas acontecem atualmente e, aparentemente, serão renovadas ainda com mais rapidez nas próximas décadas, o foco da pesquisa e análise está nas habilidades que precisaremos desenvolver para estarmos adequados às demandas, cada vez mais exigentes dos clientes e do mercado.
Coloco meus comentário, na sequencia e interagindo com o artigo, em azul.

Comentário Floro: Também não me preocupo com a data futura em que o artigo se refere, entendo ser alguns anos para frente e, tenho certeza, poderemos sentir os reflexoes muito antes dos 2030.
Aproveitem o artigo e as reflexões e deixem seus comentários:
Abraços! 
Floro

Fonte: Inovações em Educação
As habilidades e profissões que serão tendência em 2030
Estudo feito pel…